SUS ofertará novos medicamentos para doenças raras - Tudo Roraima

Últimas Notícias

Anúncio principal

Post Top Ad

sábado, 22 de dezembro de 2018

SUS ofertará novos medicamentos para doenças raras

SUS ofertará novos medicamentos para doenças raras

Boa Vista, RR - O Sistema Único de Saúde (SUS) passará a ofertar à população os medicamentos Alfaelosulfase e Galsulfase para o tratamento dos pacientes com Mucopolissacaridose, tipos IV e VI, respectivamente. O Ministério da Saúde publicou no Diário Oficial da União (DOU), daúltima quinta-feira (20/12), uma portaria que incorpora os insumos na Relação Nacional de Medicamentos Essenciais ao SUS (Rename). A nova aquisição deve estar disponível aos pacientes nas unidades públicas de saúde de todo o país em até 180 dias.

A Mucopolissacaridose consiste em um distúrbio genético, que afeta a produção de enzimas, substâncias fundamentais para diversos processos químicos em nosso organismo. A doença não tem cura, mas um tratamento adequado é capaz de reduzir complicações e sintomas, assim como impedir o seu agravamento.

A expectativa é de que o medicamento Alfaelosulfase possa atender a 153 pacientes, de todo o país, que possuem o tipo IV de Mucopolissacaridose. Já o Galsulfase deve ser utilizado por 183 pacientes com o tipo VI da doença. Além desses dois tipos, a doença apresenta outros quatro estágios. Por isso, em junho deste ano, o Ministério da Saúde incorporou os medicamentos Laronidase e Idursulfase Alfa para o tratamento de Mucopolissacaridose tipos I e II.

“Nós estamos buscando acolher no SUS esses pacientes, para dar mais qualidade de vida para os portadores de doenças raras e suas famílias. O caminho para melhorar a saúde pública passa pela inclusão de novas tecnologias com maior eficácia e menor custo e, assim, ampliação do acesso a todos os usuários”, destacou o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, do Ministério da Saúde, Marco Fireman.

A decisão de incorporar esses dois medicamentos ao SUS veio após discussão de profissionais da saúde e especialistas que compõem a Comissão Nacional de Incorporação de Novas Tecnologias ao SUS (Conitec), sobre a possibilidade de benefícios clínicos destes dois insumos. Além disso, também foi levado em conta as observações e sugestões da população, sendo a maioria de pacientes e familiares dos portadores da doença. 

DOENÇAS RARAS

O SUS oferece atendimento integral e gratuito a todas as doenças raras, conforme a necessidade clínica de cada caso. O atendimento é feito com base na Política Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras do Ministério da Saúde. O principal objetivo é ampliar o acesso desses pacientes aos serviços de saúde e à informação, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida. Desde a criação da política, em 2014, o SUS incorporou 19 exames de diagnóstico, além de organizar a rede de assistência. O Brasil possui sete serviços de referência no atendimento a doenças raras.

Também nos últimos dois anos, o Ministério da Saúde incorporou 11 medicamentos no Sistema Único de Saúde para o tratamento de diversas doenças raras, como a Mucopolissacaridose, fibrose cística, hemoglobinúria paroxística noturna e polineuropatia amiloidótica familiar. A expectativa da pasta federal é de que essas tecnologias possam beneficiar cerca de 50 mil brasileiros que possuem ao menos uma doença rara.

INCORPORAÇÃO DE MEDICAMENTOS

Para a incorporação de novas tecnologias e medicamentos ao SUS, é necessária a apresentação de estudos à Comissão Nacional de Incorporação de Novas Tecnologias (Conitec) do Ministério da Saúde, que podem ser oriundos de empresas, organismos da sociedade civil e instituições participantes do SUS. Assim se estabelecerá, por meio do método científico e com transparência, quais os benefícios que se pode esperar da nova tecnologia proposta, os riscos que poderá trazer aos pacientes e qual será o custo para a saúde pública.

Fonte: Victor Maciel, da Agência Saúde

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad

Pages